quinta-feira, 10 de março de 2022

Restando apenas 3 semanas no poder, Flávio Dino entrega o Maranhão na Miséria, com altos impostos e sem obras para chamar de sua

Restando apenas 21 dias para deixar o Palácio dos Leões, Flávio Dino deixa um legado: aumento da fome, da miséria e da pobreza no Maranhão

Em pouco mais de 7 anos, Flávio Dino conseguiu piorar o que já estava ruim 

Não é à toa, que o governador Flávio Dino (PC do B / PSB), amargura seus últimos dias no comando do estado do Maranhão, tentando apagar o aumento da fome e da miséria dos maranhenses, alugando galpões e transformando-os em restaurantes populares.

Sem conseguir avançar em Obras de Infraestrutura, Fábricas, Indústria da Transformação – não tem uma! O governador vive seus últimos dias sob o comando do cofre dos Leões, inaugurando reformas de praças, ruas de bloquetes e reformas de feiras pelo interior do estado.

Basta fazer uma pesquisa no site do IBGE para ver os números do Maranhão

Um fim melancólico para quem prometeu mudar os índices sociais e econômicos do estado, que já eram ruins, ele conseguiu foi PIORAR!

Flávio Dino entrega um estado rico, com potenciais de recursos naturais imensuráveis, na extrema desgraça, extrema pobreza e na última posição de todos os rankings possíveis, sociais e econômicos do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE.

O grande feito de Flávio Dino está marcado para o próximo dia 31, deste mês de março, que é justamente o de renunciar ao cargo de governador, que acumulou por longos e tristes 7 anos e 3 meses.

Em tempo: Flávio Dino deixa um legado no Maranhão, em rebaixar o estado para a última posição dentre os 27 estados da Federação.

E mais: o Maranhão é o estado que tem a maior alíquota de impostos, taxas e burocracia do Brasil.

Pra fechar: uma gestão com alta carga tributária afastou investidores e ninguém quis vir para o Maranhão, montar indústrias da transformação que pudessem de fato gerar emprego e renda aos maranhenses.

F.U.I: o grande incentivo fiscal de Flávio Dino nestes mais de 7 anos no poder, foi baixar alíquota de impostos para redes de supermercados, que em nada contribui para o desenvolvimento do estado, ao contrário, beneficiou os grandes e faliu os pequenos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pelo seu comentário!!! Continue conosco!!!