sábado, 24 de outubro de 2020

 

A professora caxiense Lila Léa Cardoso Chaves Costa escreveu uma carta ao governador Flávio Dino e a mim, que muito nos comoveu por sua belíssima narrativa, ao refletir, claramente, o esforço deste governo pela garantia de dignidade e justiça social na educação. Peço licença aos leitores para contar um pouco dessa história, que ela intitulou de “O bom combate da educação maranhense’.

Ex-gestora escolar, Lila exerceu a função, no período entre abril de 2015 e setembro de 2020, no Centro de Ensino Dias Carneiro, localizado no bairro Trizidela, no município de Caxias, escola onde sua mãe, a professora Teresinha Cardoso da Silva Chaves, 77 anos, hoje aposentada, ajudou a formar centenas de crianças, nas décadas de 70 e 80. “Aqui, nesta escola, Excelentíssimo Governador e Secretário, eu, meus irmãos e irmãs, também, estudamos; aqui, foi meu primeiro local de trabalho ao ser aprovada em concurso público e ser convocada, em 1994; aqui, tenho vivenciado experiências exitosas com os princípios da gestão democrática no desenvolvimento e na organização da gestão administrativa e pedagógica, semente fortalecida por este governo que tanto nos orgulha”, relatou.

A relação da educadora Lila Léa com a escola ultrapassa a afetividade familiar. Ela vivenciou, como gestora, os primeiros anos da maior revolução educacional, pelo volume de investimentos jamais visto na história do Maranhão. Foi eleita, no primeiro processo democrático para a escolha de gestor escolar, da rede pública estadual maranhense, em 2015 e acompanhou, de perto, a ampla reforma, realizada pelo governo Flávio Dino, que transformou sua escola em Escola Digna, “após mais de 20 anos sem nenhuma atenção de governos anteriores, fadada ao esquecimento no passado. […] hoje, todas as salas são climatizadas, a maioria do quadro de professores é efetivo, com graduação, especialização, mestrado, mas, sobretudo, profissionais com sensibilidade crítica de que o conhecimento liberta e dá asas a quem acredita”, enfatizou.

Mas não foi apenas a melhoria na estrutura do CE Dias Carneiro que deu nova vida à escola, os índices educacionais, também, alavancaram. “Éramos a 53ª escola em rendimento do IDEB, hoje temos o 3º melhor resultado no município de Caxias no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica […]. No Centro de Ensino Dias Carneiro, agentes de portaria, vigilantes, ajudantes de serviços gerais, copeiras, professores, professoras, supervisão, pais, alunos e comunidade são os verdadeiros protagonistas das mudanças e avanços obtidos, em parceria com um governo que investe na qualidade e padrão de ensino. Aceitamos, conjuntamente, o desafio do governo em mudar, positivamente, o cenário da educação e nos foram dadas ferramentas para isso”, ratificou a professora na carta, o que me fez recordar o poema de Paulo Freire “A Escola é”, notadamente no trecho: “Não se trata só de prédios, salas, quadros/ Programas, horários, conceitos…Escola é, sobretudo, gente/ Gente que trabalha, que estuda/ Que alegra, se conhece, se estima. / O Diretor é gente,/O coordenador é gente,/ O professor é gente,/ O aluno é gente,/ Cada funcionário é gente.”

Cabe frisar que Lila, também, teve sua carga horária ampliada de 20h para 40h, no concurso interno de Ampliação, uma reivindicação histórica dos professores do Maranhão, realizada duas vezes na atual gestão.

Professora Lila, como a senhora mesma sublinhou em sua carta, ao evocar o Gonçalves Dias: “‘A vida é combate’ e ousamos lutar com as mais promissoras armas em favor do nosso Maranhão, em favor de mudanças pertinentes em nosso Brasil”. Tenha certeza absoluta de que viramos uma página na educação do Maranhão e estamos escrevendo uma nova história para os nossos filhos e filhas.

À população maranhense, àqueles que acreditam na educação como uma porta para um futuro digno, reafirmo que o espírito combativo deste governo segue, de igual modo, como assumimos, com a serenidade de que há desafios a serem superados. Contudo, com o apoio de gente como Lila, governo e sociedade conseguirão formar cidadãos protagonistas para um mundo melhor e igualitário para todos nós.

Felipe Costa Camarão
Professor
Secretário de Estado da Educação e Reitor IEMA
Membro Titular do Fórum Nacional de Educação – FNE
Membro da Academia Ludovicense de Letras e Sócio do Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão

 

Fonte:Seduc

sexta-feira, 23 de outubro de 2020

A pesquisa foi realizada com 805 eleitores de São Luís, entre os dias 21 e 23 de outubro, com margem de erro de 3% para mais ou para menos. O nível de confiança utilizado é de 95%. Isso significa que essa é a porcentagem dos resultados retratarem o atual momento eleitoral na capital maranhense, inclusive aponta para um possivel segundo turno.

Confira os números da pesquisa:

- Eduardo Braide (Podemos) - 44%

- Duarte Júnior (Republicanos) - 19%

- Neto Evangelista (DEM) - 14%

- Rubens Pereira Jr. (PCdoB) - 6%

- Bira do Pindaré (PSB) - 3%

- Jeisael Marx (Rede) - 2%

- Hertz Dias (PSTU) - 1%

- Professor Franklin (PSOL) - 1%

- Yglésio Moyses (PROS) - 1%

- Silvio Antônio (PRTB) - 0%

- Branco/Nulo - 5%

- Não sabe/Não respondeu - 4%

A pesquisa Ibope/TV Mirante também apresentou números da intenção espontânea de votos, quando o eleitor diz em quem vai votar sem ter os nomes dos candidatos apresentados.

Os números foram os seguintes:

- Eduardo Braide - 35%

- Duarte - 13%

- Neto Evangelista - 10%

- Rubens Júnior - 5

- Bira - 3%

- Jeisael - 1%

- Hertz Dias - 0

- Professor Franklin - 0%

- Silvio Antônio - 0%

- Yglésio - 0%

- Branco/Nulo - 10%

- Não sabe/Não respondeu - 22%


Fonte: portal Imirante

 

A Justiça Eleitoral reforçou que Eduardo Braide (Podemos) mentiu e é condenado a apagar fake news sobre o candidato a prefeito Duarte (Republicanos).


Também concorrendo à Prefeitura de São Luís, Braide espalhou que a Justiça teria condenado Duarte por ter promovido notícia falsa sobre ele, o que não aconteceu.


Como o próprio prefeitável Duarte havia divulgado antes de ontem (21), em suas redes sociais, a Justiça havia apenas determinado a retirada de notícia verídica sobre o pai de Eduardo Braide, que empregou na Assembleia Legislativa um funcionário de sua fazenda. 


Disse a sentença: “Diferente do que foi propagado intensamente, não há nenhum trecho da decisão judicial que faz referência à utilização de qualquer documento falso, ou seja, fake news, como tenta induzir o representado".






Em café da manhã oferecido pelo decano e vice presidente da Câmara Municipal de São Luís aos Agentes de Trânsito de São Luís, o vereador Astro de Ogum (PCdoB) reiterou seu compromisso de um mandato popular e inclusivo na presença de aproximadamente 50 lideranças da SMTT.

Na Ocasião o vereador  afirmou: “fico muito feliz com o apoio de vocês e retomada da parceria com os agentes de trânsito. Vocês são uma classe especial e fundamental para o trânsito e para a cidade de São Luís."


Se com a ajuda de Deus e apoio dos Agentes de Trânsito eu chegar a câmara municipal mais uma vez, saibam que será um mandato popular, voltado para as minorias, vulneráveis e os servidores, entre os quais e especialmente os Agentes de Trânsito... 

Astro concluiu dizendo: “eu já ajudei uma vez ... Com a aprovação da compensação orgânica e isonomia na carga horária com os demais servidores".E se Deus permitir e vocês confiarem, continuarei trabalhando  desde o primeiro dia na CMSL, junto ao Executivo Municipal e colegas de parlamento, nas pautas de interesse da categoria: melhores condições de trabalho e a aprovação do plano de cargos e de carreira da categoria.



Na Ocasião, um dos representantes do grupo e candidato a presidência do Sindicato dos Agentes de Trânsito, Marcelo Brito também acentuou: 


"Muitos vereadores tem relevantes trabalhos prestados a cidade, mas o vereador ASTRO de Ogum foi escolhido pela imensa maioria da categoria para ser o principal representante dos Agentes de Trânsito na Câmara. Ele já foi testado 5 vezes pelas urnas e tem trabalhos concretos e promessas honradas em todos os cantos da cidade. Por isso confiamos e apoiamos a busca do vereador ASTRO de Ogum por mais um mandato a câmara de São Luís.


" Somos 300, mas com o apoio de parentes, amigos e parceiros queremos contribuir com 3.000 (três mil) votos na Campanha do vereador Astro." É possível e dá pra conseguir, com trabalho organização e comprometimento...

quinta-feira, 22 de outubro de 2020

Ao confundir a campanha eleitoral com a sua atuação profissional, médico candidato estaria  infringindo o Código de Ética Médica e a legislação eleitoral.

Nos debates, ele aparece como bonzinho, avesso às agressões e a qualquer tipo de manobras contra adversários. Entretanto, quando se trata de captação de votos, ele exibe sua outra face. O personagem em questão é o deputado estadual Yglésio Moyses(PROS) que vem sendo denunciado por parte da população da área da Vila Luizão e adjacências, por priorizar atendimento apenas aos pacientes que declaram votos nele. O clima de revolta é muito grande naquela região e já existe até informações de vídeos e áudios gravados por eleitores para levar o caso ao Conselho Regional de Medicina do Maranhão (CRM-MA) e à Justiça Eleitoral.

Além do exercício parlamentar, Yglésio cumpre uma extensa agenda como médico em clínicas e outras unidades de Saúde, incluindo o Hospital da Vila Luizão, que é da rede estadual. Fez questão de não tirar licença, prevendo usar a atuação profissional para fazer política, o que é proibido por lei. De acordo com várias denúncias de moradores, o médico candidato, estaria contrariando frontalmente o Juramento de Hipócrates.

O trabalhador José Antônio Ferreira foi um deles. Disse que enfrenou uma grande fila e quando chegou sua vez, foi avisado pela atendente de que o Dr. Yglésio não poderia atender, porque já havia estipulado a sua cota. O problema é que José Antônio permaneceu ainda alguns minutos e percebeu que outras pessoas foram atendidas posteriormente.

Indignado, foi ver com a atendente e ela disse que ele estava apenas recebendo eleitores.  Depois, viu que a pessoa que entrou após a sua tentativa, estava portando uma receita médica.

“Estou revoltado com essa atitude desse deputado que quer ser prefeito de São Luís. Ele está é usando o consultório dele aqui como comitê de campanha e isso não pode”, afirmou o trabalhador, que destacou não saber a quem recorrer contra essa ação de Yglésio.

Outra que também passou por ação semelhante foi a dona-de-casa Maria da Anunciação Silva. Ela afirmou ter procurado o hospital e foi direcionada para Yglésio, que não a atendeu, sob a alegação de que já havia ultrapassado o número de atendimentos, mas percebeu que outras pessoas entraram no consultório.

“Ele está selecionando apenas aqueles que irão votar nele. Está fazendo campanha dentro do hospital e o governo não pode aceitar uma coisa dessa. A gente enfrenta uma fila enorme, perde um tempão e depois ele só atende quem bem entende. Isso é uma falta de vergonha”, acrescentou a dona-de-casa.

O QUE DIZ A REGRA?
O Conselho Federal de Medicina (CRF) alerta quanto à necessidade de obediência à legislação eleitoral e ao Código de Ética Médica durante a campanha. Tanto que orientou os Conselhos Regionais a informar e orientar os médicos candidatos a cargos eletivos e a sociedade sobre os limites éticos e jurídicos entre a atuação profissional e a campanha eleitoral.

Além disso, cabe ressaltar que o artigo 41 da Lei 9.504/97, que estabelece normas para as eleições no Brasil, veda ao candidato “doar, oferecer, prometer ou entregar ao eleitor, com o fim de obter-lhe o voto, bem ou vantagem pessoal de qualquer natureza”. Já o Código de Ética Médica (CEM) define, entre os princípios fundamentais do exercício ético da medicina, que “o trabalho do médico não pode ser explorado com objetivos de lucro, finalidade política ou religiosa”.

O link do áudio abaixo:

 


CRIME ELEITORAL

Itapecuru-Mirim 21/10/2020

Na tarde de hoje começou a circular nas redes sociais a imagem abaixo que teoricamente seria do renomado instituto de pesquisa, o EMET INSTITUTO, devido a péssima qualidade da imagem, colocação e percentuais muito distantes dos que todos sentem nas ruas a pesquisa imediatamente começou a ser questionada por todos, mas se tratando do EMET INSTITUTO, os políticos da região antes de se manifestarem acionaram o dono da empresa afim de saber se a pesquisa era verdadeira, foi aí que descobriram que tudo não se passava de uma farsa, uma falsificação.

O EMET INSTITUTO realmente esteve na cidade de Itapecuru-Mirim e realizou uma pesquisa eleitoral, mas o contratante jamais divulgou a pesquisa e nem tão pouco o instituto de pesquisa, mas a mesma foi registrada junto ao site do TSE, o que acontece é que um grupo político inescrupuloso diante do conhecimento que a pesquisa foi realizada e ciente de que será derrotado em 15 de Novembro falsificou a marca da empresa e criou números e colocações que o próprio instituto afirma ser distante da realidade, tanto no que se refere as colocações como os percentuais.


CASO DE POLÍCIA

A questão virou caso de polícia, pois divulgar pesquisa falsa é crime, outro crime relacionado ao ato é o de fakenews, se não fosse bastante os advogados do instituto ainda falam em falsidade ideológica, calúnia, uso ilegal de marca registrada dentre outros crimes. O presidente do instituto o analista político Fernando Bastos registrou ocorrência imediatamente que tomou conhecimento do fato e disse que irá processar todos que divulgarem tal fakenews, que está coletando de grupos de whatsapp as provas assim como os telefones dos culpados para processá-los criminalmente e civilmente.

O caso também será denunciado ao Ministério Público Eleitoral, haja visto que divulgar pesquisa falsa é *CRIME ELEITORAL.

BOLETIM DE OCORRÊNCIA.pdf

NOTA DE REPÚDIO

O EMET INSTITUTO também divulgou nota de repúdio sobre o fato, pelo telefone falamos com Fernando Bastos.

Como o sr. tomou conhecimento do fato?

FB: O contratante me ligou me informando

O sr. identificou rápido a falsificação?

FB: claro, ela é grosseira, os gráficos são fora do nosso padrão, além disso as nossas pesquisas são chanceladas com um QR-CODE e todas são divulgadas em nosso site https://www.emetinstituto.com . Sem falar que os dados são totalmente equivocados, posições invertidas e percentuais que não existem como divulgados.

O que o sr. pretende fazer quanto ao fato?

FB: Nosso jurídico já foi acionado, estamos identificando as pessoas que compartilharam essa FALSIFICAÇÃO e todas sem exceção serão processadas e caberá a polícia identificar o FALSÁRIO.

O sr. já sabe quem fez isso?

FB: Apesar de parecer óbvio o grupo culpado deixaremos a cargo do Ministério Público Eleitoral e da Polícia apurar os culpados, de nossa parte cabe a indignação e o repúdio ao ato.

quarta-feira, 21 de outubro de 2020

O ex-presidente da Câmara de Vereadores de São Roberto, Cloves Saraiva, foi condenado por atos de improbidade administrativa, consistente em irregularidades na prestação de contas do exercício de 2010. A Ação Civil Pública tem como autor o Ministério Público e alega, em resumo, que o requerido como então gestor municipal, teve sua prestação de contas reprovada por inúmeras irregularidades, entre elas, a de dispensa indevida de licitação causando, assim, prejuízo ao dinheiro público. Sustenta o Ministério Público que ficou comprovada a prática de ato de improbidade administrativa.

A sentença destaca que a matéria debatida no processo apresenta caráter unicamente de direito, sendo o objeto as irregularidades na prestação de contas de convênio, fato este não anulado pelo requerido, que não apresentou quaisquer documentações que comprovassem o oposto. "Ademais, a alegação da defesa de que teria ocorrido a prescrição da pretensão sancionatória não prospera. É que a ação de improbidade administrativa ajuizada tempestivamente não pode ser prejudicada pela decretação de prescrição, em razão da demora no cumprimento da citação, atribuível exclusivamente aos serviços judiciários, nos termos de Súmula do Superior Tribunal de Justiça", fundamenta.

Para o Judiciário, a improbidade administrativa é um dos maiores males envolvendo a máquina administrativa de nosso país e um dos aspectos negativos da má administração que mais justificam a implementação de um maior controle social. "A expressão designa, tecnicamente, a chamada corrupção administrativa, que, sob diversas formas, promove o desvirtuamento da administração pública e de seus preceitos basilares de moralidade, legalidade e impessoalidade, ferindo de morte os princípios da Constituição Federal", observa. a sentença ressalta que, analisando o processo, verifica-se que o promovido, que na época dos fatos, exercia o cargo de Presidente da Câmara Municipal de São Roberto, teve as contas referentes à sua gestão reprovadas pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE), conforme documentos anexados.

SEM LICITAÇÃO

Ficou constatado que a casa legislativa realizou contratação direta, sem licitação, e sem a formalização do processo regular de justificação, bem como a ausência de demonstração da divulgação do instrumento convocatório. "Assim sendo, verifica-se que o ato de improbidade administrativa que atenta contra os princípios da administração pública encontra-se devidamente configurado. Neste particular, insta pontuar que a Constituição Federal, em seu artigo 70, fixa o dever genérico de prestação de contas a todo aquele, pessoa física ou jurídica, que utilize, arrecade, guarde, gerencie ou administre dinheiro, bens ou valores de natureza pública", pontua o Judiciário, citando decisões de outros tribunais em casos semelhantes.

"Quanto ao elemento subjetivo, vislumbra-se que restou demonstrada a má-fé do requerido, ao se observar que deixou de empregar do devido processo licitatório, violando dever funcional que lhe competia, já que exercia a titularidade da Presidência do Poder Legislativo Municipal à época dos fatos, violando obrigação legal e constitucional de observância compulsória (...) Ressalte-se, que Cloves sequer foi diligente a comprovar qualquer fato modificativo ou extintivo das alegações da parte autora, não apresentando qualquer documentação idônea, o que somente vem reforçar a prática do ato de improbidade por ele consolidado. Diante das argumentações acima postas, assiste razão ao autor, devendo o requerido ser condenado por ter praticado ato de improbidade administrativa", conclui a sentença.

Cloves Saraiva Borralho foi condenado, recebendo as seguintes penalidades: Suspensão dos direitos políticos pelo período de 06 (seis) anos; Pagamento de multa civil de 01 (uma Vez) o valor do dano, que equivalia, em 2012, a R$ 24.000,00; Proibição de contratar com o poder público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, ainda que seja por intermédio de pessoa jurídica da qual seja sócio majoritário, pelo prazo de 3 (três) anos; Ressarcimento integral do valor de R$ 24.000,00, devidos em 2012, devidamente corrigidos, aos cofres públicos estaduais. O valor da multa reverterá em favor do Município de São Roberto, termo judiciário da Comarca de Esperantinópolis.

Candidato vai votar duas vezes nele mesmo em Turiaçú

 

De laranja, Adson Manoel tem 2 títulos eleitorais e vai votar 2 vezes nele mesmo

O candidato a prefeito do município de Turiaçú, Adson Manoel Silva Oliveira apoiado pelo prefeito Umbelino, figura num escândalo que não é novidade na política maranhense – ter dois (2) RG’s, (2) CPF’s e (2) títulos eleitorais.

A denúncia está pipocando nas redes sociais na cidade de Turiaçú e o Ministério Público Eleitoral deve se pronunciar e impugnar a candidatura de Adson Manoel.

Adson possui duas identidades com a mesma foto, sendo uma Adson Manoel Silva Oliveira e a outra Adson Carlos Silva Oliveira. Na duas, o RG, CPF, título de eleitor e data de nascimento são diferentes, exceto o nome dos pais – uma identidade foi adquirida no Piauí.

Adson possui uma empresa aberta na Junta Comercial do Maranhão onde ele aparece como sócio, A C S DE OLIVEIRA COMÉRCIO já participou de vários processos licitatórios duvidosos pelo interior do estado.

Informações dão conta que a dupla identidade vem sendo utilizada há vários anos para praticar golpes pela região da Baixada além de facilitar a aprovação de diversos empréstimos bancários e fraudar a competitividade em licitações.

O Código Penal Brasileiro dispõe sobre esse crime em seu artigo 299, sendo este tipificado como falsidade ideológica onde sua pena varia de 1 a 5 anos de prisão.

Veja abaixo, as informações de Adson Manoel, com a mesma paternidade

Segue dados:

Adson Carlos Silva Oliveira

Data de nascimento: 13/12/1980

Nome da mãe: Nerônia de Jesus Silva Oliveira

Nome do pai: Articlino Gonçalves Oliveira Filho

Número do Titulo de eleitor: 0067279281171

CPF: 055.105.343-70


Adson Manoel Silva Oliveira

Data de nascimento: 03/01/1982

Nome da mãe: Nerônia de Jesus Silva Oliveira

Nome do pai: Articlino Gonçalves Oliveira Filho

Número do Título de eleitor: 00360881051112

CPF: 646.695.723-34

terça-feira, 20 de outubro de 2020


 A empresa Equatorial Maranhão entrou em contato com o Blog FM  para esclarecer sobre a matéria:

https://www.filipemota.com.br/2020/10/negativacao-indevida-de-consumidor-pode.html 


  Nota de esclarecimento


A Equatorial Maranhão informa que já tomou ciência da decisão judicial em questão, e que está avaliando nesse momento a medida processual a ser adotada.


Assessoria de Imprensa da Equatorial Maranhão




O deputado Eduardo Braide, candidato do Podemos na disputa pela Prefeitura de São Luís, divulgou nota assinada por sua assessoria de comunicação em que “não confirma” reportagem do blog do Filipe Mota, segundo a qual teria destinado emendas para São Luís que teriam beneficiado empresas da própria família que atuam na saúde. 


Além de não confirmar, a nota também não nega as denúncias que pesam contra o perfeiturável. A seguir, a íntegra do comunicado e em seguida um contraponto do blog em relação à reposta:


EMENDAS – EDUARDO BRAIDE


Em respeito aos leitores do Blog do Filipe Mota e à verdade dos fatos, o deputado federal Eduardo Braide (Podemos), reafirma seu compromisso com os maranhenses. Seu trabalho em Brasília já garantiu recursos para a cidade de São Luís, para vários municípios do interior e também para o Governo do Estado do Maranhão.

Somente para São Luís, Eduardo Braide destinou mais de R$ 11 milhões em recursos:

R$ 1 milhão para o combate à pandemia em São Luís;

R$ 2,6 milhões para a compra de 13 ônibus escolares, 11 deles para a Zona Rural;

R$ 147.738,23 para colocar internet em 20 escolas da Zona Rural;

R$ 700 mil para a aquisição do mamógrafo do Hospital da Mulher (Área Itaqui-Bacanga); 

R$ 705.330,00 para o tratamento da quimioterapia e R$ 1,2 milhão para aquisição de um novo tomógrafo do Hospital Aldenora Bello;

R$ 300 mil para custeio e R$ 300 mil para a compra de equipamentos do centro cirúrgico da Santa Casa;


R$ 509.405,00 para 20 mil testes do pezinho, R$ 282.800,00 para o combate à pandemia e R$ 750 mil para aquisição de equipamentos (aparelho de ultrassom, cabines de teste auditivo, etc) para APAE de São Luís;

R$ 400 mil para a compra da torre cirúrgica da Rede Sarah;

R$ 200 mil para a Defensoria Pública do Maranhão;

R$ 313.480,00 (custeio), R$ 1,2 milhão (equipamentos) para o Hospital da Criança;

R$ 281.190,00 para aquisição do aparelho de videolaparoscopia do Socorrão I;

R$ 400 mil para o IPHAN.


Além disso, Eduardo Braide destinou para o Governo do Estado do Maranhão, mais de R$ 3,3 milhões, sendo mais de R$ 2 milhões para o combate à pandemia; para a Polícia Militar, R$ 700 mil e, ao Corpo de Bombeiros do Maranhão, destinou R$ 620 mil. 


Com essas informações, o deputado federal Eduardo Braide reafirma o seu compromisso de sempre trabalhar pelo bem de São Luís e do Maranhão.


Assessoria de Comunicação

Deputado federal Eduardo Braide

CONTRAPONTO DO BLOG

Em respeito aos nossos leitores e à legislação pátria vigente, no tocante ao direito de resposta, brilhantemente esculpidos na nossa Carta Magna assim como na Lei de Imprensa, temos a imensa satisfação em assegurar ao prefeiturável à publicação da nota, enviada a fim de contrapor matéria vinculada neste blog intitulada “Emendas de Braide para São Luís podem ter beneficiado empresas da própria família que atuam na saúde”.


De pronto, gostaríamos de externar que o nosso papel tem como escopo a busca da verdade real e não apenas, a verdade ficta, ou seja, aquela que só interessa a parte que se acha ofendida. Desta feita, em respeito aos mais de um milhão de cidadãos ludovicense, que em um momento de suma importância, já que nos próximos dias estarão decidindo o futuro da cidade pelos próximos quatro anos, gostaríamos de ratificar o teor das informações publicadas no texto ora confrontado, e indagar o porquê da mesma nota não ter sido utilizada para também contrapor a veracidade das informações na sua totalidade e não apenas no tocante a parte de interesse do deputado federal.


2º Encontro Nacional de Proteção a Comunicadores

Instituto Vladimir Herzog

ABRAJI

Assembleia Legislativa

Assembleia Legislativa

Repórteres Sem Fronteiras

Repórteres Sem Fronteiras

Cotação do Dolar

Perfil

Contatos: 98 9121-1313
Whastapp: +55 98 9121-1313
Email: blogdofilipemota@gmail.com

Facebook